No caminho da existência

Muitas pedras derrubaram

Entre tombos e tropeços

Suas vidas levantaram

Caminhando sempre em frente

Muitos amigos conquistaram

Com carinho amor e fé

As lembranças arquivaram.

Caríssimos companheiros

HOJE reunidos pela passagem dos 54 anos da entrada na Escola de Aprendizes de Marinheiro, um grupo de jovens, após prestarem concurso, e serem aprovados, aqui estão, e nós do grupo UTAES MULHERES, queremos saudá-los.

No inicio, iam à busca do desconhecido, e acabaram por inaugurar a Escola de Aprendizes de Marinheiro - Espírito Santo (EAMS), concretizando a realização de um sonho. Nós guardamos na recordação ou nas fotos, a imagem de jovens vibrantes fardados de branco, com a gola engomada, olhar confiante no futuro, jovens ilustres desconhecidos, cada um mais assustado que o outro, tentando disfarçar a ansiedade, juntos a outros jovens de estados diferentes e na conquista de novos amigos. Passado o tempo, saídos do aconchego de seus lares sabiam que tudo poderia mudar.

 Hoje junto a vocês cheios de orgulho, vemos o futuro que vocês vislumbravam àquela época.  Enfrentaram a labuta diária aliada ao peso da solidão e a dura realidade, não decepcionaram aqueles que lhes deram força e confiaram no seu potencial. O trabalho era fatigante, faziam de tudo, faxina, cozinha, capina, carregavam até tijolos, sem falar na pressão de seus superiores, Estudavam com empenho e dedicação imprescindível a serem aprovados com boas notas, principalmente por que inauguraram a EAMS “primeiros alunos”. Que dureza!  Sentiam-se importantes, teriam que mostrar para o que foram. O presente construído neste mais de meio século confirma quão homens de fibra vocês foram. Construíram uma escola com o trabalho de seus braços, e a projetaram com a força de seus sonhos, alegrias e esperanças.  A formatura que galhardia! O Ápice. Despediram-se dos amigos, o futuro estava lançado, cada qual seguiu um destino. Destacados para diferentes locais em terra ou no mar, alguns por sorte voltaram a sua terra natal. Enfrentaram tempestades no mar e na vida, desembarcaram em locais desconhecidos viveram emoções intensas e voltaram ao cais.

Passaram por um período difícil, onde o Brasil teve sua revolução política, alguns não puderam viver toda intensidade da Saga do Marinheiro, pesou muito em cada coração a dor de sair da Marinha de afastar-se do convívio e do objetivo que escolheram, porém nem esse afastamento tirou de cada um de vocês o espírito desbravador de Pioneiro de INHOÁ.   Aquela enseada que os acolheu, forjou em seus corações e mentes, jovens que sabem como ninguém O SENTIDO DA PALAVRA AMIZADE.   Os tropeços foram muitos, seguiram carreiras, conseqüentemente amadureceram, constituíram família, trilharam os caminhos traçado por Deus, foi uma experiência única e inesquecível, só quem viveu sabe.

A cor do uniforme continua branca, os cabelos ganharam a cor do tempo, seus corações guardam cada pedacinho do lugar onde serviram dos mares que navegaram das emoções que viveram dos amores que conquistaram e da vida costurada pelo sentimento de luta e pela emoção do sonho realizado. Hoje, REUNIDOS, já não tão jovens comemorando décadas de amizade, com saudades daqueles que já se foram, porém sempre presentes em nossos corações.

Aprendizes de Marinheiro da Turma de 1960, a chama que vocês carregam jamais se apagará. Pois enquanto voz tivermos diremos aos nossos filhos, os nossos filhos dirão aos nossos netos, que dirão aos nossos bisnetos.  O MEU PAI, MEU AVÔ, MEU BISAVÓ FOI DA TURMA ALFA DA ESCOLA DE APRENDIZES DE MARINHEIRO DO ESPIRITO SANTO. BRAVO ZULU.